Desde o surgimento da pecuária brasileira, muitas técnicas que aceleraram o desenvolvimento da atividade vieram à tona, sempre buscando maximizar a produção de leite ou carne. As vantagens do pastejo rotacionado foi uma das conquistas do homem nessa área.

A forma de manejar o gado no momento das pastagens faz toda a diferença no negócio, podendo manter a qualidade do pasto e até mesmo reduzir perdas financeiras. Os fazendeiros que conhecem essas técnicas conseguem aumentar os ganhos de seus investimentos e minimizar seus gastos ao mesmo tempo.

Se você quer saber o que é um pastejo rotacionado, como fazer um, quais são as suas vantagens práticas e as diferenças do contínuo, confira a leitura deste post e se aprofunde no assunto!

O que exatamente é pastejo rotacionado?

Também chamado de pastoreio rotativo, é um sistema no qual o pasto é dividido em várias áreas menores para pastagem, chamadas de piquetes. O gado fica pastando em um piquete e, quando ele começar a ficar escasso, é mandado para outro, assim o lugar anterior consegue se recuperar e o gado come sempre um pasto de qualidade.

O responsável vai fazendo o rodízio do gado nas áreas para que ele não paste no mesmo lugar em pouco tempo. Essa estratégia tem os seguintes objetivos:

  • aumento da fertilidade do solo;

  • aumento da produção de capim;

  • aumento da lotação do pasto;

  • dividir o pasto em piquetes;

  • tornar o pasto mais uniforme.

Como fazer um pastejo rotacionado?

O número de piquetes a serem usados deve ser calculado com cuidado, pois a rotação feita de forma errada pode diminuir a lucratividade do negócio. A atividade vai depender bastante do tamanho da propriedade, mas existe uma conta bem simples para calcular o número de piquetes do gado:

Número de piquetes = Período de descanso em dias + 1 / Período de Pastejo em dias

Geralmente os períodos de descanso variam entre 28 e 56 dias, dependendo da espécie da forrageira. É importante que o período de descanso seja o suficiente para que o pasto esteja pronto para ser utilizado novamente para o gado. O resultado da conta é o número de piquetes ideal para que o pastejo não tenha desperdícios, sendo uniforme e eficiente.

Imagine um exemplo prático de uma rotação de 5 dias de pastejo em um piquete com 39 dias de descanso. Colocando os valores na conta, o número de piquetes seria 8.

Os animais ficam em um piquete por 5 dias, depois são enviados para o segundo e ficam mais 5 dias, o processo continua se repetindo até chegar ao oitavo piquete, quando finalmente são completados 39 dias.

Agora o primeiro piquete está ponto para ser utilizado novamente pelo gado, pois já atingiu a altura ideal e tem uma certa massa de folhas. Para isso, é necessário tomar as devidas medidas para controlar os animais adequadamente por meio de cercamento elétrico, arames etc. Além de controlar o adubo utilizado no pasto no período de descanso.

Quais são as diferenças entre um pastejo rotacionado e um contínuo?

O sistema de pastejo contínuo é aquele em que os animais permanecem o ano todo na pastagem, ele é mais utilizado pelo fato de precisar de um menor custo com instalações (aguadas, cochos, cercas etc.).

Os animais são separados por diferentes categorias, que são ajustadas conforme a capacidade de produção da forragem. Contudo, esse sistema gera diversas desvantagens à fazenda, são elas:

  • maior seleção dos animais, pois eles preferem se alimentar das folhas do que os colmos;

  • as excreções são distribuídas aleatoriamente;

  • há degradação desproporcional da área;

  • há aumento das espécies invasoras.

Quais são as vantagens do pastejo rotacionado?

O pastejo rotativo traz um grande número de benefícios ao negócio, indo desde uma melhor gestão, diminuição das perdas, manutenção da fazenda e até o melhor desenvolvimento do negócio. Veja quais são os principais ganhos logo abaixo.

Maior controle sobre a quantidade de pasto disponível

A primeira vantagem é que esse sistema traz um grande controle sobre a quantidade de pasto disponível, o fazendeiro consegue fazer com que apenas certa área do seu terreno seja destinado à pastagem pelo gado.

Isso permite que ele determine outro destino para outras áreas — como a plantação —, consiga definir o tipo de animal para cada parte do terreno, quantifique melhor a quantidade de adubo para cada piquete e muitas outras formas de controle.

Dessa forma, o pastoreio rotativo é bastante útil para qualquer tipo de negócio, principalmente os produtores rurais que têm pequenas áreas em sua fazenda, pois conseguem aproveitar ao máximo de seu espaço.

Redução nas perdas de pastagem

As perdas de pastagem ocorrem pelo pisoteio excessivo dos animais ou quando há uma concentração muito grande do gado em um único local. Isso pode fazer com que seja mais difícil o ambiente se recuperar e, às vezes, é possível ter até a perda do sítio.

Graças à rotatividade, isso não acontecerá, pois o fazendeiro consegue controlar a quantidade de animais em cada piquete.

Maiores chances de recuperação da planta forrageira

Depois do devido período de descanso, as plantas conseguirão se recuperar e crescer com maior vigor e, portanto, serão mais nutritivas e resistentes aos períodos de seca.

Além disso, os capins Tanzânia, Massai e Mombaça não toleram o pastejo contínuo, portanto, o rotacionado possibilita uma maior variabilidade de escolha de capins para o fazendeiro, que poderá optar pelo tipo de pastagem com maior custo-benefício.

Pastejo mais uniforme

O sistema de pastejo contínuo faz com que os animais escolham livremente de quê e onde eles se alimentarão, isso gera um pastejo sobre-estimado (muita pastagem em um local) ou subestimado (pouca pastagem).

Essa vantagem garante um aumento da produção de leite por hectare, já que alguns animais não se alimentarão mais ou menos que outros, tornando tudo mais uniforme.

Redução da infestação de plantas invasoras

Quando o gado se alimenta excessivamente de uma certa planta, fará com que outras plantas se proliferem com mais facilidade, tornando possível que uma área se torne imprópria para pastagem.

A rotatividade assegura maior permanência das plantas mais apreciadas pelos animais. Como o período de descanso não tem interferência, as plantas forrageiras têm melhores condições de competir com as daninhas, que não conseguirão invadir o local.

Também há redução da contaminação do pasto por larvas e vermes por haver melhor distribuição de fezes e urina na pastagem, o que diminui o risco de infecção dos animais.

Perenização das pastagens

Por fim, o pastejo rotativo elimina a necessidade de realizar práticas de recuperação e renovação dos pastos, as quais costumam custar bastante caro para as contas do negócio. Portanto, o sistema rotacionado também aumenta o faturamento da pecuária.

São várias as vantagens do pastejo rotacionado, mas para aproveitar delas o fazendeiro deve equipar a fazenda com os melhores arames disponíveis, assim ele conseguirá controlar melhor os piquetes para pastagem do gado.

Enviamos artigos no seu e-mail de forma gratuita! Assine a nossa newsletter!