Criar gados é uma das atividades econômicas mais valiosas no Brasil, rendendo muitos lucros para quem sabe como atuar corretamente no setor. Devido ao alto índice de consumo de carne pela população e por causa da exportação, a pecuária de corte é uma das alternativas de empreendimento mais famosas.

Quando falamos em criar animais de grande porte, é comum que as pessoas pensem em grandes terrenos, com muito espaço para que o gado circule, e em uma infraestrutura onerosa, não é verdade?

Contudo, desde que o pecuarista adquira matrizes com uma boa genética comprovada e tenha as condições de pastagem razoáveis, é possível fazer criação de gado em pequenas propriedades. E é justamente sobre o que falaremos neste artigo. Continue a leitura para saber mais sobre o assunto!

É possível criar gado de qualidade e em boa quantidade em pequenas propriedades?

Um dos setores econômicos mais consistentes em nosso país, a pecuária não depende exclusivamente de grandes territórios para que produza com eficiência.

Novas técnicas de criação são desenvolvidas e o manejo nutricional é aprimorado todos os anos, fazendo com que a produção seja ampliada independentemente da disponibilidade de área.

Sendo assim, a criação de gado em pequenas propriedades passa a ter uma relevância muito grande para a economia, dada a qualidade e o volume da produção.

Quais os métodos mais utilizados para a criação de gado em pequenas propriedades?

As pequenas propriedades têm grande potencial na criação de gado. Seja para produção de carne ou de leite, o fato é que a estrutura pode ser moldada conforme o manejo escolhido e as técnicas aplicadas.

Geralmente, o manejo nutricional é uma das questões que mais exigem adaptação quando há escassez de espaço. Afinal, o gado precisa se alimentar de maneira equilibrada e rica em nutrientes para que se desenvolva plenamente.

Dado o contexto, os dois métodos de criação de gado em pequenas propriedades mais indicados – e que podem dar um ótimo retorno de investimento ao criador – são o confinamento e o pastejo rotacionado. Falaremos mais sobre cada um deles adiante.

O que levar em conta para fazer um confinamento de gado?

O confinamento de gado é o sistema de criação de bovinos no qual os animais são fechados em piquetes ou currais com restrição de área e recebem água e alimentos especiais.

Devido à grande demanda pelo consumo de carne vermelha, para que os pecuaristas possam concorrer igualmente com seus concorrentes de grande porte, o sistema de confinamento é uma ótima alternativa. No entanto, é preciso que o processo seja acelerado.

Tradicionalmente, os bovinos são criados em pastos, mas esse tipo de alimentação é suficiente para promover a engorda em um curto período de tempo, já que os animais ganham apenas uma média de 0,5 kg por dia.

O confinamento de gado surgiu com a premissa de complementar o processo, economizando tempo, pois a média de ganho de peso nesse modelo de criação é de 1,5 kg por dia.

As condições climáticas, em especial a temperatura, afetam os hábitos alimentares dos bovinos. Por isso, é preciso ajustar a ingestão de alimento por grupos de animais todos os dias, tendo a temperatura como parâmetro.

Por exemplo, antes de alimentar o gado, é necessário monitorar a temperatura para que isso seja feito antes que ocorram mudanças drásticas, afetando a alimentação. Vale destacar, ainda, que as mudanças climáticas podem adoecer os animais e essa é uma questão importante a ser considerada.

Como funciona?

Os animais são colocados em um local aberto ou fechado – podendo ser um curral ou uma área de espaço restrito –, no qual um profissional se responsabilizará por disponibilizar água e alimentos nos cochos ao menos três vezes ao dia ou mais, dependendo da necessidade de engorda do pecuarista.

O ideal é que a propriedade esteja localizada em uma área rural e longe de grande movimentação, como uma rodovia. A intenção é evitar que os animais se estressem e, ainda, impedir que fujam.

O que levar em conta para fazer um pastejo rotacionado?

Essa é a segunda modalidade de criação de gado em pequenas propriedades que abordaremos e consiste, basicamente, em dividir a área de pastagem em piquetes, que serão submetidos a períodos de descanso e pastejo alternados.

Utilizar esse sistema pode oferecer muitas vantagens ao sistema de produção como um todo e, por isso, tem sido cada vez mais utilizada por produtores de porte menor.

O objetivo desse método é alimentar os animais de maneira constante, durante o ano inteiro. A consequência é o aumento do rendimento forrageiro por unidade de área. Em outras palavras, é preciso produzir mais em áreas menores.

Lembrando que é preciso também reduzir a degradação. Ou seja, o sistema precisa garantir longevidade, além de ser necessário procurar formas de conservar a fertilidade do solo.

Nota-se, então, que o pastejo é diretamente influenciado pelo clima do solo, pelas plantas e pelos bovinos. Dado o contexto, o manejo é uma metodologia indispensável para compreender as dificuldades e intempéries encontradas.

Qual é o melhor método para a criação de gado em propriedades pequenas?

Considerando a versatilidade de poder criar os animais em áreas menores, mas sem onerar demais a operação com custos adicionais para manter a forrageira e, ainda, garantir a engorda dentro dos parâmetros almejados, o modelo de pastejo rotacionado é considerado o melhor método para criação de gado em pequenas propriedades.

Entre seus diversos benefícios, podemos citar:

  • mais controle sobre a quantidade de pasto disponível;

  • maiores chances de recuperação para a planta forrageira, que se apresenta com maior vigor depois do período de descanso e, portanto, mais resistente aos períodos de seca e mais nutritiva;

  • redução nas perdas de pastagem que acontecem por causa do pisoteio excessivo dos animais;

  • pastejo mais uniforme: evita-se a perda de forragem;

  • redução da infestação de plantas invasoras e garantia da permanência das plantas mais apreciadas pelos bovinos;

  • melhor distribuição das excreções dos animais pela pastagem, otimizando as condições físicas e biológicas do solo;

  • aumento da vida útil das pastagens;

  • redução de custos com práticas de recuperação e renovação dos pastos (que são financeiramente onerosas);

  • maiores ganhos de produtividade.

Como você pôde conferir neste artigo, a criação de gado em pequenas propriedades já é uma realidade fortemente presente entre os pecuaristas de menor porte.

Entre seus benefícios, está a possibilidade de garantir a produção de carne vermelha de qualidade e em grande quantidade, sem que seja necessário contar com grandes pastos ou áreas vastas para que os animais circulem, além de ser muito mais fácil controlar e combater problemas ou intempéries que venham a ocorrer.

Este conteúdo sobre como fazer uma criação de gado em pequenas propriedades foi útil para você? Então siga-nos no Instagram, no YouTube e no Facebook para receber mais conteúdos como este todas as semanas!